CBP – Quinta da Fata – Nelas

Chegando o outono, entramos numa época mágica de cheiros e sabores novos. As uvas suculentas, penduradas em cachos reluzentes, os cogumelos que se escondem na floresta, o cheiro a terra molhada e as botas cheias de lama são alimentos essenciais para a alma. Continuando a rubrica CBP – Comer, Beber, Passear vamos hoje até à zona centro, à Quinta da Fata, em Nelas.

Por vezes, precisamos de encontrar o local certo para descansar e ganhar energias. Na Quinta da Fata, uma quinta vinícola perto da Serra da Estrela, encontramos essa paz. Entre vinhas, jardins e árvores, o passeio é reconfortante. A casa senhorial do século XIX, onde se encontram alguns dos quartos,  é lindíssima e ainda tem apartamentos T1, onde ficámos, que são o suficiente para uma excelente estadia.

Há também uma piscina, espreguiçadeiras e um terraço com  vistas maravilhosos. Para os mais ativos há ainda bicicletas e  a possibilidade de andarem a cavalo nas imediações.

No nosso caso, fomos passear, visitar Nelas e Viseu. A Quinta da Fata, os seus pequenos almoços tão ricos e a liberdade de passear por locais quase mágicos tornaram esta estadia maravilhosa.

E depois há os vinhos, do Dão, especiais, premiados e feitos com muita tradição, ali mesmo, na Quinta. Outono, esse momento especial em que o néctar é colhido e preservado, é a época certa para visitar um espaço magnífico como este!

Boa viagem!

Anúncios

Comer, Beber, Passear – Casa da Esquila

Vamos dar início hoje a uma nova rubrica. Todas as sextas-feiras sairá uma publicação dedicada a espaços dedicados à gastronomia, receitas ou locais especiais para passeios ou férias.

Começamos com um local muito especial, pela questão afetiva e pela questão gastronómica, A Casa da Esquila. O Chef é um amigo e antigo colega, e desde que abriu, que lá queríamos ir mas não tínhamos tido a hipótese de o fazer. Conhecendo o Rui, esta seria uma experiência inesquecível. Para dizer a verdade, não encontrei nenhuma esquila nas redondezas e também não almoçámos bolotas, mas as iguarias que nos foram servidas são especiais e adaptadas à geografia e à época.

Entre o Sabugal e Sortelha, encontra-se uma pequena povoação de nome Casteleiro e aí se localiza esta pérola da região centro. Rui Cerveira, o Chef, decidiu criar na sua terra, algo de diferente, de especial. Foi uma aposta arrojada que bravamente se tem consolidado no interior e isso não é tarefa fácil.

O restaurante divide-se em duas partes, uma em regime aberto de self-service, com várias opções, que foi a escolhida pelos filhotes e um espaço gourmet onde almoçámos. O Menu é sazonal, de acordo com os produtos da época e alguns locais. Podem espreitar o Menu.

menu

Escolhemos um Menu Intemporal e foi uma experiência gastronómica maravilhosa.  O Couvert foi riquíssimo e com um sabor muito especial. Azeite com vinagre balsâmico, azeite com alho, pão de mistura e broa quentinha, manteiga com cogumelos, presunto e queijo da serra com doce de figo foram rapidamente degustados e bastante apreciados. A forma como os presuntos se derreteram na boca, e não sou fã de presunto, surpreendeu-me e a dualidade de sabores do queijo com o doce de figo foi tão apreciado que fez com que o comprasse a um produtor local. A entrada Folhado de Camarão com salada de Citrinos estava leve e muito saborosa. A textura do folhado crocante com o salgado do camarão contrastam com a doçura dos citrinos e a leveza da salada. É divinal. Poderia ter terminado aqui a refeição e já seria feliz.

Passando aos pratos principais, pudemos degustar o Bacalhau confitado com puré de grão e salada de abacate e o Naco de Vitela com mostarda antiga e Póquer de Legumes. O bacalhau com o sal no tom perfeito e totalmente macio surpreendeu as minhas papilas gustativas, especialmente quando apreciado com o puré de grão. Este puré, extremamente cremoso, foi algo de novo e aprovado. Em relação ao Naco de Vitela foi realmente uma experiência do outro mundo. Tenro, extremamente suculento, servido com molho de mostarda sobre uma almofada de legumes ficou para a história de excelentes refeições.

Finalmente a sobremesa, A Loucura da nossa Pasteleira é, como o próprio nome indica, completamente estranha e estranhamente boa. Salada de fruta, gelado de baunilha e um folhado de maçã, servido ainda quente, torna a degustação uma verdadeira fusão de sabores. No entanto, a loucura são estas migalhas que misturadas com aqueles doces explosivos fazem com que as papilas gustativas se encontrem numa verdadeira festa.20180831_142832.jpg

Façam como o Sr. Presidente, o Prof. Marcelo Rebelo, vão ao interior e tenham uma experiência gastronómica deste mundo!